quarta-feira, 20 de julho de 2011

Resende Costa realiza 5º encontro de Bandas de Músicas

Cláudia Simões                                                                                                                  
                                                                                                                                                                                           Fotos:  Cláudia Simões
Jovens são maioria no 5º encontro de Bandas de Músicas
“Estava atoa na vida o meu amor me chamou pra ver a banda passar cantando coisas de amor”, cantou Chico Buarque em 1966. A canção, que se tornou um clássico da MPB desde então, exibe sua força e atemporalidade ao cantar poeticamente o que ainda é tradição nas cidades do interior de Minas: a unanimidade das bandas de música que, atraem multidões e despertam a alegria dos habitantes com a magia da música vinda do metal reluzente dos instrumentos.  Foi assim no dia 26 de junho, onde 13 bandas de música da cidade participaram do 5º Encontro de Bandas de Música de Resende Costa.


Maestro João Tomás Silvério, organizador do evento
No palco montado na praça principal da cidade, o maestro João Tomás Silvério, organizador do evento e regente da banda Santa Cecília, de Resende Costa, era só alegria: “Música não tem idade”, disse convicto. “É uma satisfação ver músicos veteranos, jovens e crianças participando com entusiasmo desse encontro que há 12 anos não se realizava. “Estamos felizes de ter conseguido trazê-lo de volta após mais de uma década”, completou Daniela Vale Silvério, filha do maestro e também na organização do evento. Além de Resende Costa, participaram bandas das cidades de Coronel Xavier Chaves, Santa Cruz de Minas, Rio das Mortes, Nazareno, Lagoa Dourada, São Braz do Suaçuí, Campo Belo, Jacarandira, Alto do Rio Doce, Bom Sucesso e Ibertioga, Tiradentes e São João del-Rei.

Unanimidade Brasil afora

Cidade que não tem banda é uma cidade morta”, diz o professor de música Thiago Souza, maestro da Banda União Musical Santa Cecília, de São Brás do Suaçuí. “Em Prados, minha terra natal, a banda municipal está presente em tudo, é a alma da cidade. Desde um funeral aos eventos mais festivos, a população espera a banda” completa Thiago.

À frente da Banda de São Brás (qual a grafia correta?), um dos destaques do Encontro em Resende Costa, o maestro fala da importância do repertório: São Brás é uma cidade de forte tradição musical, os jovens que tocam na banda, atuam também na orquestra da cidade, vem daí o diferencial. Além disso, procuro um repertório que agrade à faixa etária deles”, diz, referindo-se ao grande número de adolescentes na banda. Com entusiasmo de professor apaixonado, Thiago afirma que os meninos começam cedo, com 6 a 8 anos e o primeiro instrumento que experimentam é o sax horn, apelidado de “chiquinha”.
O mais popular, o que caracteriza as bandas é a tuba, que chega a pesar 14 quilos. Os veteranos, Geraldo Vicente dos Reis e Tarcísio Amâncio, ambos com 25 anos de banda, lembram que a instituição, fundada em 1957, nunca parou de atuar. 


“Tão importante quanto o fenômeno artístico, a banda de música desempenha esse importante papel de mobilizadora da comunidade nos seus momentos mais caros e solenes. Em São João del-Rei, como em tantas cidades Brasil , as bandas são chamadas a participar dos mais variados acontecimentos, marcando presença em eventos cívicos, solenidades, procissões religiosas e blocos carnavalescos”, confirm (confirma, prefira o verbo no presente quando você considerar a ação ou a fala com alcance além do momento) o professor e ex-diretor do Conservatório Pe. José Maria Xavier, Abgar Campos Tirado. 

Berçário Musical

No 5º Encontro de Bandas de Resende Costa, a juventude dos músicos impressiona. Na Banda de Bom Sucesso, onde jovens entre 12 a 15 anos são maioria, João Lucas da Silva, 15, já se decidiu pela carreira de músico profissional. “Minha escola é a banda e vou tentar o vestibular para Música na UFSJ e na UFMG”, diz João Lucas. Marcelo Augusto Pires, que toca bombardino, (Banda de São Brás) e Elvis Washington, tuba (Banda de Resende Costa), ambos de 17 anos, contam que tinham bronquite e a prática musical acabou com o problema. “A gente ensaia todo dia e o esforço para tirar o som é grande. Acho que foi um bom remédio para a bronquite”, acreditam os jovens.

Meninos de São Brás do Suaçui honram a tradição musical da cidade























O mascote da Banda Santa Cecília, de Resende Costa, é Pedro, de cinco anos. Ao lado do pai Alessandro Caldeira dos Santos, que toca sax tenor, participa de todas as apresentações e aguarda ansioso ter idade para entrar para a banda. Quanto ao instrumento, já escolheu: “vou tocar sax soprano”, disse decidido.

Com 45 integrantes, a Banda de Cel. Xavier Chaves, fundada em 1984 confirma a tendência de bandas jovens com a grande maioria formada por crianças e adolescentes. O maestro Jaime Luiz de Mendonça explica que a nova formação se deve à saída dos veteranos por motivo de estudo ou trabalho.

Theodoro de Faria

Por sua tradição e tudo que representa, a apresentação da centenária Banda Theodoro de Faria, de São João del-Rei, a mais esperada, foi sucesso. Do erudito ao popular, o repertório mesclou sucessos populares e exibiu talentos individuais em solos dos jovens musicistas, o que evidenciou o estilo próprio da banda.

Teófilo Rodrigues rege a banda Theodoro de Faria
Com sede na rua Santo Antônio desde 1967, os irmãos maestros Tadeu Nicolau e Teófilo Helvécio que regeram a banda em Resende Costa, se orgulham do esforço bem sucedido para construir a sede e escola de música e manter em funcionamento a instituição dirigida por seu pai por quase seis décadas. A tradição musical se perpetua nas mãos da família Rodrigues, desde que em 1917 o músico são-joanense Inácio Teófilo Rodrigues passou a dirigir a banda com  a mesma abnegação e idealismo de seu fundador, Augusto Theodoro de Faria, que hoje dá nome à banda. “A sala de nossa casa sempre foi escola de música, crescemos com a casa cheia de alunos do meu pai, que ensinava voluntariamente”, recorda-se o maestro Tadeu.

O Encontro de Bandas de Resende Costa acontece anualmente e o entusiasmo dos organizadores garante a próxima edição, prevista para primeira quinzena de junho de 2012. Se você mora em SJDR, a Banda Theodoro de Faria ensaia aos sábados, de 14 às 17h (Rua Santo Antônio, no 294 – Tejuco) e está presente em todos os eventos da cidade.

História

Guardiã da tradição musical brasileira, as bandas de música figuram entre as mais antigas instituições ligadas à divulgação da música regional, cumprindo papel de escola livre de música, verdadeiro conservatório do povo. Esse papel de reserva da cultura popular assumiu dimensões históricas a partir do século XVIII com a multiplicação das irmandades cecilianas – de Santa Cecília, protetora dos músicos - às quais os músicos geralmente se filiavam, mantendo forte vínculo com as instituições religiosas.

5 comentários:

  1. Muito legal esta matéria.

    Nas entrelinhas, sutilmente dá um recado importantíssimo: as bandas de Minas são agentes culturais. Disseminam cultura musical, por um lado formativamente, entre seus componentes e, ao mesmo tempo, por outro, proporcionam cultura e lazer às comunidades que as ouvem e pestigiam.

    As bandas são mensageiras da alegria e mostram o luzir da felicidade quando se apresentam em concertos, retretas e procissões. Da mesma forma, ressaltam sua ausência, quando marcam compasso mostrando a obscura tristeza sonora que convém a momentos trágicos.

    A banda é a orquestra de rua. Na maioria das vezes, livre, marcha a céu aberto, azul, solar ou estrelado.

    ResponderExcluir
  2. porque não divulgar o encontro de folia de reis em jacarandira,pois o encontro e muito bom e participam varias folias de todas regioes e cidades diversas,eu acho voçes deveriam dar mais apoio aos distritos menores.obrigado

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...